♥ Matar por Prazer ♥
1ª Edição - Bertrand Brasil
Leal, bela, profissional, impecavelmente organizada: Sarah Stevens é uma mulher com diversas qualidades. Acima de qualquer coisa, uma excelente mordoma. Capacitada para administrar a rotina de mansões com destreza e eficiência, Sarah também é guarda-costas, motorista e atiradora experiente, indispensável para o juiz Roberts, um homem gentil e refinado por quem tem profundo carinho e respeito. Mas sua vida será afetada por um violento assassinato... e uma ardente paixão.

Matar por Prazer

Apesar de este livro estar sendo anunciado a muito tempo na minha estante 'Lendo' do Skoob, eu só comecei realmente a lê-lo após ler Coração de Bilionário. Quando começou a febre de e-books, há muito tempo atras, eu recebi esse livro em e-book da Alexis, mas não consegui lê-lo, pois ler no pc desde aquela época me cansava muito as vistas e eu preciso dela para trabalhar. Enfim, depois de um longo tempo consegui comprar o livro físico.

Esse é meu segundo livro da Linda Howard e apesar de achar que ela escreve muito bem e ter gostado do livro, essa coisa dela viajar na maionese com as profissões de suas personagens me mata de raiva. Você não precisa ser fiel em tudo, um escritor tem o poder de criar um ambiente paralelo que quiser, mas mutilar coisas tão óbvias e claras quanto a água é um tanto desestimulante ao leitor. 

Qualquer um com o mínimo de consciência e um Google na vida, consegue ter acesso ao dia-a-dia de um militar ou de qualquer outro profissional que se queira escrever sobre, então eu me pergunto: Porque cargas d'água essa mulher escreve coisas tão incoerentes relacionadas a essa profissão e as outras tantas? Como autora contemporânea o acesso a informações sobre a atualidade é imensa, até deixaria passar alguma coisa ou outra se a temática que ela trabalhasse fosse épica, mas não é, e acho imperdoável uma escritora contemporânea fugir tanto da realidade do mundo em que vive. Acredito que se ela quer criar algo diferente, criar coisas fora do contexto que fuja para a temática histórica ou fantástica, pois certas viagens, nem todas, ressalto, são totalmente aceitáveis.

Enfim, vou voltar ao livro, que aliás é muito bom e falar um pouco das personagens e o que acontece no enredo.

Tom Cahill, é investigador de polícia, está há um bom tempo divorciado e só vê as mulheres com desconfiança após ter passado uma traição e um divórcio ainda pior, mas ao conhecer Sarah, decide tomar a iniciativa e esse é o ponto positivo, ao menos é o perfil que gosto nos homens, ele é direto no assunto, nada de rodeios, galanteios e blá blá blá. Ele a chama para sair e fala logo que está interessado em investir nela e queria saber se ela estava interessada também. Apesar de não ser o típico galã de romance, Cahill é um homem normal, másculo e sem frescurinhas. No meu ponto de vista, PERFEITO.

Sarah, é mordoma (sim eu sei que é ridículo) filha de militar, irmã de militares e literalmente treinada para matar. É extremamente metódica e organizada, em alguns momentos tive ímpetos de entrar no livro e agredi-la, mas me contive, pois nós duas somos muito parecidas, aliás, estou pensando em rever muitas das minhas atitudes e manias após ler esse livro, não sabia que eu poderia ser assim tão chata... enfim... Sarah é um tanto quanto normal, com suas manias, mas é uma mulher forte apesar das circunstancias do enredo.

Tudo começa quando a casa em que Sarah trabalha é assaltada e ela detém os criminosos. Após uma entrevista para a TV, Sarah recebe um estranho presente. Como nenhuma outra atitude fora tomada quanto ao seu admirador secreto ela segue seu dia a dia, até que após um dia de folga, ela encontra seu querido patrão morto em sua sala de televisão.

É quando sua vida vira de pernas para o ar, ninguém vê motivos para a morte do juiz e as investigações nunca levam a nada. Após ter certeza de que Sarah era inocente, Cahill decide chamá-a para sair, a tensão sexual dos dois é palpável e o receio de ambos de começar algo tão novo e intenso os mantinha um pouco alertas.

Um novo emprego e um novo assassinato, põe Sarah novamente como suspeita e o amor entre ela e o investigador pode estar por um fio. O assassino ainda não foi pego e é apenas quando Sarah aceita um novo emprego que tudo fica claro... O motivo das mortes não era dinheiro, nem vingança... era Sarah e ela estava nas mãos do psicopata!

Apesar de tudo o que disse sobre a Linda, ela conseguiu escrever esse livro com um suspense delicioso que te prende a cada página, realmente gosto da forma de escrita dela, apesar dos pecados já ditos. Não tem muito sexo, mas o pouco que tem é intenso e arrebatador, confesso que só comprei o livro pelo fato de já conhecer a primeira noite dos dois, uma stripe luta, sempre fiquei um tanto quanto excitada com a cena, pus na cabeça que tinha de arrumar o livro para ler e não me arrependi. Valeu muito a espera.

Recomendo o livro de olhos fechados, tanto pelo romance, quanto pelo suspense, não tem muita investigação então nem podemos falar de uma temática policial, mas a trama fica suspensa praticamente o livro todo e quando você vê já leu bem mais da metade do livro. Começo a crer que as versões de livraria dos trabalhos de Linda Howard são muito melhores que os de 'banca'

book cover of 

Dying to Please

2 Comentários

  1. Esse livro é muito bom mesmo. o que foi q vc nao gostou no livro?
    Já leu atração implacável? É ÓTIMOOOO.RECOMENDO!!!

    ResponderExcluir
  2. Na verdade não disse que não gostei, apenas sitei logo no inicio meu desgosto com o fato da autora viajar nas profissões das personagens.

    ResponderExcluir