Ain... Eu estava precisando de um filme assim!
Não tem lá uma grande trama e intriga, mas o puro e doce amor entre John e Fanny é lindo!
Chorei horrores! ¬¬
No estilo aguinha com açucar, mas te arranca profundos suspiros. E se vc for chorona como eu... aff!! Prepare os lençinhos pois os altos e baixos desse amor nos leva as lágrimas...
ainnn!Ameiiiiiii!!!!!

John é um poeta e, como tal, sabe que não tem condições para se casar e manter uma esposa, mas isso não o impede de se apaixonar por sua bela vizinha Fanny. Uma jovem estilista de língua ferina, filha de uma costureira. Trabalhando arduamente em seu proximo livro de poesias ele decide dar aulas de poesia para Fanny, sem entender o que vai em seu íntimo.

O irmão de John está a beira da morte e a amizade de Fanny e sua família os aproxima ainda mais.
Cientes de seu romance impossível eles vivem as reviravoltas do amor. As idas e vindas de seu relacionamento e as dores das palavras de amor...
Todos estão contra esse namoro, mas uma reviravolta do destino é capaz de afastá-los ainda mais. John está doente, muito doente e sabe que não voltará da Itália para os braços de sua amada. Algo imutável os separaria... E desse lindo amor restariam apenas as doces palavras escritas por John para Sua Estrela Brilhante...


Londres, 1818.

O jovem poeta John Keats (Ben Whishaw) é vizinho de Fanny Brawne (Abbie Cornish), estudante de moda e dona de opiniões fortes. Seus mundos não poderiam ser mais distintos. Quando o irmão de John adoece, Fanny oferece seus cuidados. Encantado, John se aproxima da moça e se oferece para ensiná-la poesia. Os dois terminam se apaixonando. Quando a mãe de Fanny e o melhor amigo de John descobrem o caso, já é tarde demais para tentarem desaconselhá-los.

Deixe um comentário