♥ Esposas e Filhas ♥
Ed: 01 - Pedrazul Editora
Comprar - Editora
Sinopse:
Inglaterra provincial, 1830.
Molly Gibson, filha única de um médico viúvo, é negligenciada por Miss Clare, ex-governanta. Sete anos depois, Molly é uma atraente jovem que desperta o interesse de um dos aprendizes de seu pai, Mr. Coxe. O afeto é descoberto, e Mr. Gibson envia a filha para ficar com os Hamleys, de Hamley Hall, uma família da pequena nobreza. Lá ela se torna amiga do Hamley mais novo, Mr. Roger. O filho mais velho da família, Osborne Hamley, um jovem bonito, inteligente e mais elegante do que seu irmão, é esperado para fazer um casamento brilhante após uma excelente carreira na Universidade de Cambridge. Porém, um grande segredo o envolve. Intrigas, mexericos, preconceitos, traições, tragédias e amor marcam este formidável romance considerado pela autora como Uma História Cotidiana.




"O que prometia ser a obra-prima de uma vida é um memorial da morte" - pág. 533 



E hoje, começarei a resenha desse livro de forma diferente, não com uma citação maravilhosa da trama escrita, mas com as palavras de Frederick Greenwood, editor da revista onde Esposas e Filhas era publicada. Palavras estas, escritas um ano após seu falecimento, nas considerações finais sobre o encerramento da trama apresentada e a genialidade da autora que falecera sem completar sua última obra.

No dia 12 de novembro de 1865, há 150 anos atrás, aos 55 anos, falecia Elizabeth Gaskell, antes de concluir os últimos capítulos de Esposas e Filhas, uma obra encantadora e apaixonante em toda a sua simplicidade, que nos deixa um final triste, não para os personagens, mas um final triste para nós leitores, que mesmo estando aqui um século e meio a frente sentiremos a perda de tão grande mulher e romancista.

Eu tenho um carinho imenso por essas escritoras dos séculos 18 e 19, que venceram todas as barreiras, as criticas e hoje fazem parte de um legado literário tão importante. Para mim, são mulheres incríveis que conquistaram com bravura seu espaço no campo literário, antes quase que totalmente dominado pelos homens. Admiro-as e as respeito por terem feito o que fizeram e nada me dá mais prazer do que terminar uma obra maravilhosa escrita por elas. 

Comecei meu trajeto na literatura clássica inglesa com Jane Austen, uma mulher incrível que me despertou o anseio por mais. Depois veio, Emily Brontë que criou um amor louco e intenso em Heathcliff e depois veio Elizabeth Gaskell, com sua doce, porém determinada Margaret Hale, sendo agora minha segunda experiência com sua escrita. 

Em Esposas e Filhas, ela nos trará uma história cotidiana que se descortinará a nós em uma pequena província ou condado no interior da Inglaterra, Hollingford. Toda a trama girará em torno da casa do jovem viúvo e médico da cidade Mr. Gibson, um homem muito respeitado, cuja a dedicação ao trabalho só é abalada pelo amor e carinho que sente por sua única filha, Mary, a quem ele carinhosamente chama de Molly.

A história começa com Molly, ainda uma jovenzinha de doze anos, ansiosa para participar do tão famoso encontro de senhoras e senhoritas na casa do conde de Hollingford. Apesar de toda a sua curiosidade, um mal entendido a faz conhecer a Mrs. Kirkpatrick, uma mulher que apesar de atenciosa e agradável a trata com muita indiferença.

Desde o desagradável incidente, passam-se quatro anos. Agora Molly é uma jovem de dezesseis anos, comum, que ansiava aprender muito mais do que o pai lhe permitira então, mas que se continha por amá-lo tanto, mantendo certas leituras clandestinamente.  Há cada dois anos, seu pai recebia em sua casa dois rapazes para serem aprendizes do ofício médico e naquele momento ele tinha sob seu teto, além de uma bela e doce jovem desabrochando em casa, tinha também o filho de um grande amigo como aprendiz. O sr. Coxe.

Por acaso o sr. Gibson, intercepta uma correspondência apaixonada do rapaz, uma devastadora declaração de amor a sua menininha que o deixa desesperado. Como lidar com aquilo? Sem saber como lidar com o interesse de jovens rapazes sobre sua Molly, ele decidi conversar com o rapaz e pedir que ele contenhas suas paixões, mas ouvir as palavras de amor ditas pelos lábios do rapaz foi demais a ele. E sua vida começa a mudar a partir daquele momento.

Há algum tempo a Sra. Hamley, uma de suas pacientes, havia solicitado a presença de Molly em sua casa e ele sempre havia recusado, pois não queria que sua pequena ficasse longe de seus olhos protetores, mas a situação pedia atitudes extremas e talvez um breve afastamento da jovem pudesse esfriar os ímpetos do rapaz, que ele não poderia simplesmente mandar embora, por ser filho de um grande amigo dele.

Então Molly é enviada a Hamley Hall, onde é recebida com muito carinho e que em pouco tempo cai nas graças dos proprietários do lugar. O casal tinha dois filhos, um de vinte e dois anos e um de vinte e um. Ambrose e Roger Hamley, respectivamente, ambos longe de casa se preparando para Cambridge. Ambrose, o herdeiro e primogênito é o filho sobre quem os pais mais falam e sobre quem depositam mais esperanças sobre um grande futuro, o que instiga a curiosidade de Molly sobre os dois rapazes.

Enquanto Molly convive com o fazendeiro e sua esposa. o sr. Gibson começa a se preocupar com a proximidade das férias dos rapazes e sabe que precisa tirar sua filha de Hamley Hall, mas um imprevisto faz com que ele peça ao fazendeiro para hospedar a filha por mais um tempo, até que ele decida o que fazer, já que não pode levar a filha de volta para casa sem que sua governanta esteja na casa e isso irá demorar, já que o sobrinho da mulher pegou escarlatina e quanto mais longe sua Molly ficar da doença será melhor.

Mesmo amando a doce Molly, o fazendeiro teme que Ambrose se interesse pela jovem, que é doce e encantadora. Ele espera que o filho mais velho faça um bom casamento com o jovem rica, que tenha a mesma posição social que eles e não quer que um romance surja entre o rapaz e a jovem.  

Por um golpe do destino, ou incompetência de Ambrose mesmo, ele não passa nas provas para ingressar em Cambridge e informa aos pais, que desolado, ele prefere viajar para ficar com amigos e que apenas Roger irá vê-los.

Como ninguém ligou muito para Roger Hamley, ou para seu sucesso ou seu fracasso ele chega em casa com as noticias de que Ambrose não havia conseguido o que tanto a família esperava dele e conhece Molly. 

A noticia de que Ambrose não conseguiu passar nos exames, faz com que a saúde, já muito debilitada da Sra. Hamley fique ainda pior, e a presença de Molly se faz ainda mais necessária na fazenda. Desesperado, o sr. Gibson começa a pensar em um novo casamento e precipitadamente, escolhe a Sra. Kirkpatrick, sim, a mesma do inicio do livro. Desolada, Molly recebe a notícia do casamento do pai e em seu sofrimento quanto a escolha da esposa, faz com que surja entre ela e o jovem Roger Hamley uma amizade sincera.

Enquanto os preparativos para o casamento vão sendo feitos, Roger volta para a universidade e começa a se destacar nos exames, consegue uma vaga excelente como matemático e logo em seguida começa a ganhar fama sobre os textos científicos que tem escrito. Porém, outra bomba explode em Hamley Hall e novamente a sra. Hamley está doente, agora muito pior. Ambrose tem dívidas, mas se recusa a dizer quais são e o pai o expulsa de casa, piorando ainda mais as coisas... 

Com a morte da Sra. Hamley, Molly volta para casa, apenas para saber que sua meia-irmã está para chegar. É impossível não amar Cinthia, além de linda ela é encantadora e logo ela e Molly se tornam grandes amigas, porém Cinthia também guarda um segredo e para se livrar das más línguas acaba enfiando Molly nas rodas maledicentes da cidade.

Apenas quando Roger, aceita partir para a Africa por dois anos e pede a mão de Cinthia, que Molly vai descobrir o quanto ama e admira o rapaz, mas ela não tem esperanças, nunca teve e está disposta a abrir mão do amor que tem dentro de si, para que ele viva o amor dele, mesmo que Cinthia não mereça um sentimento tão puro vindo de um homem tão incrível quanto Roger Hamley.

Os meses passam e muitas coisas vão acontecer. Sr. Gibson se arrependerá do casamento que fez, descobrirá as artimanhas de Cinthia ao usar Molly para se livrar de um problema e deixá-la sozinha para lidar com as fofocas e a doença de Ambrose ficará cada dia mais aparente.

Ambrose sabe dos planos que o pai tem para si e seu segredo está envolvido nesses planos, ele não quer decepcionar o pai ainda mais e sua recusa a abrir o coração com o velho, vai delapidando sua saúde mais e mais. Novamente, mais um golpe do destino, devasta Hamley Hall e lá está Molly e o Sr. Gibson para ajudar um velho amigo a passar por mais um tormento. Não há mais motivos para guardar segredo, é hora de trazer a tona os segredos de Ambrose e lidar com isso sem a presença de Roger é praticamente impossível, o que irá esgotar a saúde da jovem Miss Gibson e deixá-la de cama por vários meses.

Molly tem agora dezenove anos e se deparar com Roger Hamley, adentrando a sala de sua casa, mais maduro e ainda mais viril, balançará novamente seu doce coração. Principalmente agora, em que Cinthia também havia voltado e acabado de ficar noiva de outro homem. As circunstâncias fazem com  que Roger pense melhor sobre suas escolhas impensadas do passado e conquistar novamente para si o amor de Molly, após tê-lo desprezado, será sua maior batalha e motivo férreo para toda a sua determinação.

Não vou me alongar muito, até porque já contei quase tudo, guardei os pormenores, mas o enredo é basicamente esse. Molly é uma garota encantadora, solicita, amorosa e de bom coração, não é aquele tipo chato, sabe? Boa demais que enche o saco.  Ela é ingênua e amorosa, sem ser chata e isso nos envolve tanto que passamos o livro inteiro sofrendo com as coisas que ela passa e torcendo para que tudo dê certo. Ai a cena em que ela corre para o sótão para se despedir de Roger é de encher os olhos de água, pois ela se esconde não achando certo despedir-se tão fervorosamente de amado, quando ele havia acabado de pedir a mão de sua meia-irmã. 

Bem, o pai de Molly é um pai incrível, apesar de não ser muito de demonstrar sentimentos, notamos por suas atitudes o quanto ele adora sua filha, o quanto a ama e o quanto quer protegê-la de tudo. Roger Hamley, apesar de ter pedido Cinthia em casamento e destroçado o coraçãozinho da Molly, é um cara maravilhoso, inteligente, dedicado, atencioso que diz coisas tão lindas sobre seu amor por Molly ao pai dela, que se o Sr. Gibson já não o admirasse tanto, começaria a admirá-lo naquele instante.

A trama, como disse, cotidiana, vai crescendo de forma envolvente enquanto vamos lendo. Cada capítulo nos enche de ânsia para ler mais, para saber mais, para torcer cada vez mais por Roger e Molly... mas é claro que nem tudo são rosas, a madrasta de Molly, apesar de ser muito atenciosa é uma mulher frívola e fútil que gosta de ser o centro das atenções, e Cinthia, sua filha, apesar de ser um pouco menos, é exatamente como a mãe e passei muito tempo odiando a forma como ela flertava com o Roger sabendo que Molly tinha certa admiração por ele.

Para fechar, só tenho a dizer que o livro é encantador e envolvente ao ponto de nos emocionar em várias partes. Os mistérios que envolvem Cinthia e Ambrose também nos amarram a trama tornando o livro impossível de largar... e quanto enfim, chegamos ao final... nos sentimos vazios por saber que a mulher que criara tudo aquilo, havia deixado esse mundo, sem nos presentear com o final feliz de Molly, que ela havia apenas deixado implícito nos capítulos anteriores,

Enfim... Acho que não preciso dizer que recomendo a leitura de olhos fechados não é mesmo? É realmente uma grande história que merece ser lida por todos aqueles que curtem clássicos e bons romances de época.

Não me ame por ser graciosa,
Pelos meus lindos olhos e rosto;
Não, nem pelo meu coração constante;
Pois este pode mudar e se voltar para o mal,
E assim o verdadeiro amor pode acabar.
Mas me ame, sem saber por que,
Assim tens a mesma velha razão ainda
E me idolatre para sempre.
pág. 180

* * *

CONSIDERAÇÕES SOBRE AUTORA E A OBRA:

Resultado de imagem para elizabeth gaskell

Hoje, dia 29 de setembro de 2016, faz 206 anos que Elizabeth Gaskell nasceu.

Esposas e Filhas é uma edição ilustrada com imagens originais do periódico onde a trama era publicada.

OUTRAS OBRAS DA AUTORA PUBLICADAS PELA PEDRAZUL


Próximos lançamentos previstos pela Editora:

|| Uma Noite Escura ||  A Prima Phillis || Minha Lady Ludlow ||

14 Comentários

  1. Gente confesso que não conhecia sobre esse livro, mas fiquei super curiosa sobre a história, conseguiu me chamar muita a atenção, irei colocar na lista de compras, parabéns.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oie!
    EU não costumo ler clássicos por fata de interesse, não que eu não goste. Eu ainda não li nenhum, então não sei se vou gostar. Preciso começar por algum e ver se fico interessada pela história e narrativa.
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  3. Ola
    Também estou mergulhando nos Clássicos, no meu caso os de terror, que é meu gênero favorito. É bem gostoso conhecer esses livros né?
    Eu gosto muito de romances cotidianos, onde a 'ação' cai em um crescente e vamos percebendo as nuances de todos os personagens. Parece ser um romance bem bacana

    ResponderExcluir
  4. Oi!
    Confesso que não conhecia esse autora mas como amo um bom romance histórico já estou correndo me informar melhor sobre ela. É muito trágico o fato dela ter falecido antes de terminar a obra, se entendi corretamente, ela parece ter sido uma escritora muito talentosa. Fiquei curiosa pra conhecer a obra e os detalhes da vida de Molly.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Oie eu também gosto desses livros antigos e que bacana saber que a autora criou uma trama tão boa e cheia de fios. Fiquei curiosa sobre o mistério envolvendo os personagens e fiquei com muita vontade de ler, que pena que a autora faleceu antes de concluir.

    ResponderExcluir
  6. Oie
    que legal a resenha e o livro, não conhecia mas que tema interessante, muito bom mesmo, fiquei extremamente curiosa e ja anotei nos desejados

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Nunca ouvi falar nesse livro, mas estou bem intrigada com essa premissa. Adoro livros de épocas *----* e só pela sua resenha pude notar o quanto é envolvente a história, estou curiosa e quero muito ler esse livro. Já adicionei a wishlist.

    Beijos,
    entreoculoselivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Oi linda,

    Adoro quando leio comentários - seus - que relatam experiências com escritoras do século XVIII e XIX, porque essas mulheres contornaram os dilemas e regras sociais e deram "Voz" as suas frustrações, pensamentos e opiniões de forma elaborada e precisa. Quando lemos Austen, Bronte e Gaskell percebemos a genialidade de suas narrativas e suas ironias aos costumes da época além de nos presentear com romances doces e verdadeiros.

    Eu não conhecia essa obra, mas já leio livros da autora há 3 anos e com certeza lerei esse.

    Beijocas!

    ResponderExcluir
  9. Olá, realmente temos que exaltar as nossas escritoras que tiverem toda a coragem de se desfazer de uma sociedade tão machista e escreverem clássicos maravilhosos.
    não conhecia ainda a obra mas com certeza irei querer conferir

    ResponderExcluir
  10. Oi, Raíssa, tudo bem?
    Vou começar esse comentário confessando que meu sonho de vida é conseguir parceria com a Pedra Azul. Sério!
    Os títulos não são publicados por mais nenhuma editora e só ouço maravilhas sobre as traduções.
    Da Elizabeth Gaskell eu só conhecia "Norte e Sul" (que pela Pedra Azul foi publicado com outro título), mas ainda não cheguei a ler.
    Fiquei ainda mais curiosa em relação a "Esposas e Filhas" pelo fato de a autora não ter concluído a história.
    Assim como você, eu admiro a força dessas escritoras, viu?! Conseguiram mostrar a que veio mesmo em uma sociedade tão machista e patriarcal. Embora elas não tenham tido o reconhecimento merecido em vida, o legado de cada uma delas está aí, sendo aclamado nos dias de hoje.
    Quero ler "Esposas e Filhas" para ter, também, esse sentimento de vazio ao final da leitura. <3

    Amei sua resenha!

    Beijos,
    Amanda
    http://www.confissoesfemininas.com/

    ResponderExcluir
  11. Hello! Tudo bem?
    Conhecia a Pedrazul Editora faz pouco tempo e gostei do que vi de publicação.
    Amo romances de epoca e os mais historicos tb e achei a editora a minha cara.
    Esse Esposas e Filhas eu nao conhecia e achei interessante a premissa, acho que vou gostar da historia e fiquei curiosa com o rumo dos personagens.
    Mto bom os pontos apresentados e acho que vai ser uma leitura prazerosa.
    Beijos

    Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

    ResponderExcluir
  12. OOi!
    Confesso que pela capa não pegaria livro de forma alguma, achei bemmm feinha. :( Mas olha, mesmo com sua resenha positiva ele ainda não chamou minha atenção, acho que não gostaria.
    Ainda assim, parabéns pela resenha!

    Beijoos!

    ResponderExcluir
  13. Confesso que nunca ouvi falar dessa autora. Mas, também só conheço dois autores de literatura inglesa. E conselho de blogueiro e também como leitor. Sua resenha ficou muito longa. E isso cansa um pouco. hahaha.

    www.sonhosemtinta.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Kim, eu sei que a resenha está longa, porém em se tratando de um livro clássico escrito e publicado no século 19, acho importante ressaltar dados históricos e algo mais sobre o autor, ou algo que seja relevante para que o leitor não fique pensando que o livro é atual como já vi acontecer em muitos outros blogs. Esse é o meu formato e trabalho assim, prefiro encher o leitor de informação do que deixar ele viajando por falta de dados. Até pq no final das contas, lê quem tem mais interesse mesmo... é assim com resenhas longas e curtas, sem exceção.

      Excluir