♥ O Menino no Alto da Montanha ♥
Ed: 01 - Seguinte
Sinopse:
Quando Pierrot fica órfão, precisa ir embora de sua casa em Paris para começar uma nova vida com sua tia Beatrix, governanta de um casarão no topo das montanhas alemãs. Mas essa não é uma época qualquer: estamos em 1935, e a Segunda Guerra Mundial se aproxima. E esse não é um casarão qualquer, mas a casa de Adolf Hitler. Logo Pierrot se torna um dos protegidos do Führer e se junta à Juventude Hitlerista. O novo mundo que se abre ao garoto é cada vez mais perigoso, repleto de medo, segredos e traição. E pode ser que Pierrot nunca consiga escapar.




"Você ouviu tudo. Viu tudo. Sabia de tudo. (...)
Você ainda é jovem, tem só dezesseis anos, tem muitos anos pela frente
 para ficar em paz com sua cumplicidade no que foi feito. 
Mas jamais convença a si mesmo de que não sabia.
Seria o pior crime de todos."
pág. 205



GENIAL, MAS FALTOU ALGO!



E lá vamos nós a minha primeira experiência com as obras de John Boyne!! - Uhuu... #sqn

É fato que tenho problemas com personagens infantis e adolescentes, por isso evito ao máximo leituras que os tenham. Porém, não sou tão exigente, existem várias formas de autores me surpreenderem com sua escrita trabalhando com essas escolhas de personagens e trabalhar o tema da Segunda Guerra Mundial, é um dos principais motivos para que eu abandone minhas birras e encare a leitura.

Sempre tive curiosidade para conhecer os trabalhos do autor, até porque gostei muito do filme O Menino do Pijama Listrado e tinha curiosidade para ver como ele escrevia. Então, quando pintou a oportunidade de ler esse lançamento de julho da Editora Seguinte, corri para pedi-lo em parceria.

Assim que ele chegou fui logo passando ele a frente de todos. O livro não tem muitas páginas, são cerca de 224 e a fonte é grande e confortável para a leitura. Gostei muito do que encontrei, a escrita do autor é bem fluida e ele vai te levando na trama com maestria, porém, para mim, faltou alguma coisa. Sabe quando você termina a leitura de um livro e fica com aquela sensação de 'só isso'? Pois é, foi essa a minha sensação quando terminei a leitura do livro.

Toda a trama é dividida em três partes e elas giram em torno da infância, pré-adolescência, adolescência e parte da vida adulta de Pierrot. A ideia central do livro é genial, a inserção de um personagem tão icônico e muitos outros elementos históricos importantes foram a grande sacada do autor, porém ele poderia ter escrito um livro muito mais rico, muito mais detalhado com mais sabor, com mais veracidade no arrependimento do protagonista.

Enfim... o livro tinha tudo para ser genial, mas ao meu ver, a conclusão foi muito corrida. Entendi o motivo do autor querer mostrar a importância do arrependimento, a importância de lidar com seus erros e seus próprios fantasmas, mas essa parte foi mal trabalhada. Não importa que idade o personagem tinha quando cometeu seus crimes, ele devia ter pago na medida e seu arrependimento e busca pelo perdão mais convincente. 

Terminei o livro com a sensação de que Pierrot só se arrependeu porque a Alemanha perdeu a guerra, não porque realmente se arrependia de seus pecados. Resumindo, poderia ser melhor finalizado e foi esse o ponto que me deixou naquela sensação de faltou algo.

O livro começa com Pierrot em Paris. Ele vive com a mãe, viúva de um soldado alemão e seu melhor amigo é um menino judeu surdo mudo. Com toda a sua doçura e inocência, acompanharemos a relação complicada de seus pais e a doença silenciosa, porém avassaladora que levará a vida de sua mãe, deixando nosso pequeno protagonista órfão.

Ele não entende os motivos pelos quais a mãe de seu melhor amigo não quer que ele viva com eles e acredita que é pelo fato de não ser judeu como eles. Por ser ainda muito jovem ele não entende os problemas que os judeus estão vivendo e parte para um orfanato magoado por não poder ficar.

No orfanato ele encontrará muitas dificuldades, por ser muito baixinho para sua idade e muito franzino sempre passa por maus bocados nas mãos de valentões e lá no abrigo não é diferente. Até que um belo dia, após uma surra daquelas ele recebe a notícia de que sua tia iria cuidar dele na Áustria.

Sua tia, Beatrix, nada mais é que a governanta do próprio Führer (se não entendeu, é o Hitler) e é sob o mesmo teto que grande ditador que o pequeno irá viver. Em sua inocência, ele chega na casa no alto da montanha sem saber que sua vida mudaria para sempre. Sua inteligência e vontade de aprender encantam Hitler e ambos passam muito tempo juntos, aos poucos, diante da atenção despendida a ele por um homem tão importante, Pierrot se torna um verdadeiro modelo de nazista, bem patriótico.

Quando uma tentativa de envenenamento começa a ser preparada contra o Führer, ele não pensa duas vezes em entregar os traidores, sem medir as consequências e o pior ele acha que foi o correto. Os anos passam e nosso protagonista está cada vez pior, cada vez mais arrogante, cada vez mais déspota. A guerra está chegando ao fim, o grande império ruindo e a vida é uma incógnita para nosso protagonista.

Para não me alongar e não ser repetitiva...  O livro tem uma trama boa, a leitura é válida e mesmo que tenha pontos negativos para mim, tenho certeza que irá agradar outras pessoas em um todo.

Ah!! Não vou desistir do autor ainda, só vou tentar um livro mais adulto na próxima vez.. rs

book cover of 

The Boy at the Top of the Mountain 

 
(Este livro não foi publicado em Portugal)

13 Comentários

  1. Oi...
    Excelente resenha, parabéns!
    Para falar a verdade eu tenho uma curiosidade absurda de conhecer a escrita desse autor também, entretanto, me falta coragem.
    Esse livro não combina muito comigo e não faz o meu estilo, por isso, vou deixar passar essa dica de hoje

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Tenho curiosidade em conhecer a escrita do autor também, e você não é a primeira que diz que faltou algo na história, pelo que vejo, provavelmente minha experiência com o autor, não irá começar com esse livro.
    Mas de modo geral é uma história muito boa, com fatos históricos ao fundo, o que eu adoro.
    Bjim!
    Tammy

    ResponderExcluir
  3. Oie! Eu gosto bastante do john boyne mas me identifico muito com você quando fala que tem birra com personagens infantis e adolescentes, no meu caso é principalmente adolescentes. E eu adoro esse pano de fundo de segunda geuerra por isso darei uma chance para o livro, mas é curtinho mesmo, que pena que acabou faltando algo mas não desista do autor não, ele é bom, ee.

    ResponderExcluir
  4. Adorei "O Menino do Pijama Listrado". Filmes que tem como tem a Segunda Guerra Mundial são sempre muito bons e emocionantes, mas nunca li um livro sequer.
    Achei este aí bem bacana, mas tb achei chato a maneira como o autor encerrou a história de Pierrot. o.o
    Bj
    www.viciadosemleitura.blog.br

    ResponderExcluir
  5. Oiii lindinha, como vai?
    Que coisa mais incrível esse livro que tu trouxeste a resenha para nós, fiquei bastante curiosa e querendo ler o quanto antes, esse livro sempre me tiram da zona de conforto e anotei a dica.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  6. Olá
    não sabia desse novo lançamento, que legal, com certeza vou querer ler, parece ser tão emocionante quanto O menino do pijama listrado, adorei a resenha

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Olá!

    Tenho vontade de ler algo do autor, mas agora fiquei indecisa. Sua resenha foi muito bem escrita, explorou diversos pontos, sem dar voltas. Vou dar uma olhada em outras resenhas para ter certeza se arrisco a leitura.

    ResponderExcluir
  8. Olá! Assiti o filme O menino do pijama listrado e fiquei muito sensibilizada com a história. Agora, quanto a esse livro, não tenho vontade de ler, principalmente agora depois da sua resenha.Dá a impressão que ele tentou ir na onda do sucesso do outro e não fez certo...quem sabe mais para frente. |Beijos

    Entre Livros e Pergaminhos

    ResponderExcluir
  9. Oi linda,

    Sua resenha está bem cativante e explicativa.

    Ao meu ver os enredos do autor normalmente sempre são assim. Dificilmente ele vai além do que esperamos. Ele trabalha apenas os sentimentos dos personagens e seus conflitos internos e deixa o "julgamento moral" para os leitores. Esse é o modo que ele trabalha em O Menino do Pijama Listrado e outro título que li dele que não recordo o nome agora.

    Eu gosto bastante disso, porque ele coloca a decisão final em nossas mãos.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Olá, tudo bem.

    Parece mentira, mas não tenho vontade de ler os livros do autor, mesmo apaixonada pelo filme de O menino do pijama listrado. Chorei horrores. Até um tempo sentir até vontade de ler este livro, mas depois perdi o interesse. Gostei da sua resenha e da sinceridade. Mas também não me atrair por este no momento, mas serviu de dica para presente, pois tenho amigas que amam o autor.

    beijos
    http://chalecult.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Olá,

    Não conhecia a obra mas gostei muito do enredo e da ambientação, fiquei aqui pensando nas diversas reflexões que eu faria nessa leitura e como me tocaria com os sentimentos que ela parece carregar. Vou anotar a dica.

    Abraços
    Cá Entre Nós

    ResponderExcluir
  12. Eu amo os livros de Boyne: chorei com "O Menino do Pijama Listrado" e me apaixonei p'"O Garoto no Convés", por isso tenho certeza que vou gostar desse também. Ainda não o li mas está na minha meta desse ano, até dezembro eu termino ele.

    Abraços

    ResponderExcluir
  13. Eu amo os livros desse autor. Ele tem uma escrita muito intensa e personagens maravilhosos. Quero muito ler.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir