♥ Sejamos todos Feministas ♥
Ed: 03 - Companhia das Letras
Sinopse:
Chimamanda Ngozi Adichie ainda se lembra exatamente do dia em que a chamaram de feminista pela primeira vez. Foi durante uma discussão com seu amigo de infância Okoloma. “Não era um elogio. Percebi pelo tom da voz dele; era como se dissesse: ‘Você apoia o terrorismo!’”. Apesar do tom de desaprovação de Okoloma, Adichie abraçou o termo e começou a se intitular uma “feminista feliz e africana que não odeia homens, e que gosta de usar batom e salto alto para si mesma, e não para os homens”. Sejamos todos feministas é uma adaptação do discurso feito pela autora no TEDx Euston, que conta com mais de 1,5 milhão de visualizações e foi musicado por Beyoncé.






"A meu ver, feminista é o homem ou a mulher que diz:
'Sim, existe um problema de gênero ainda e temos que resolvê-lo,
temos que melhorar'. Todos nós, homens e mulheres, temos de melhorar"
pág. 50



SEJAMOS TODOS FEMINISTAS!!!!


Quem me conhece pessoalmente ou está intimamente ligado a mim de alguma forma, sabe o quanto abomino a palavra "feminista", obviamente há exceções, mas a grande maioria foge o bom senso e luta por motivos sem sentido e não me representam. Já fui chamada de "machista" pelos simples fato de dizer que não sou melhor que homem nenhum justamente por esse tipo estereotipado de "feminista" sovaco cabeludo que prega extermínio total da feminilidade e dos homens... e isso eu sou contra. 

Não consigo assimilar o por que tenho de matar minha feminilidade, meu batom vermelho e meu salto alto... não entendo porque tenho de matar a coisa mais linda que tenho em mim que é a minha feminilidade, aquilo que realmente me faz diferente e o mais importante me faz mulher.

Não vou negar que ganhamos espaço e que devemos ampliar nossa busca para maior reconhecimento, mas acredito que não será atacando os homens que conseguiremos isso. Uma mulher não é melhor que um homem, como um homem não é melhor que uma mulher e ponto final.

Nunca passei pelo que Chimamanda passou e descreve nessas poucas 50 páginas de palestra impressas nesse livro, mas também não vivo na Nigéria ou em qualquer outro país cuja cultura patriarcal está enraizada desde os primórdios da terra. Aqui ainda temos homens ganhando mais que as mulheres e vários fatores que nos mantem um patamar abaixo, mas uma mulher desacompanhada pode entrar em um hotel sem ter de provar que não é uma prostituta, pode se sentar sozinha em um restaurante e desfrutar de um bom jantar sem ser barrada na porta do estabelecimento e assim por diante. Não estou dizendo que não haja desigualdade, claro que há, só não concordo com os meios que as ativistas tem usado para tentar alcançar o bem maior e ponto.

Acho um absurdo tremendo, a demagogia distorcida que as "feministas" dos tempos atuais pregam por aí, desvirtuando as palavras de Simone de Beauvoir e outros nomes importantes da causa em nome de falácias e ideais sem sentindo. Por pensar assim, já fui acusada de muitas coisas, não duvido muito que alguém venha me crucificar nos comentários por conta disso.

Sabendo de tudo isso, já podem imaginar como foi quando recebi Sejamos todos Feministas. Não fiquei nem um pouco animada em ler, até porque a autora é uma feminista da atualidade e meu medo de abrir o pequeno livrinho e dar de cara com uma enormidade das porcarias sem sentido que vejo por aí foi grande. Mas, fui lá... estava curiosa para ver o que ela tinha da falar e terminei a leitura de tão poucas páginas, pela primeira vez na minha vida, feliz em ser chamada de "feminista".


Acho que poderia ouvir a autora discorrendo sobre o assunto por horas ou ainda ler um livro seu com centenas de páginas e concordar com cada ponto e vírgula escrito por ela sobre o assunto. Sem discurso de ódio, ou repúdio, Chimamanda nos faz questionar sobre a posição da mulher na sociedade e como ela deve agir, assim como nos dá forma lógicas e cheias de bom senso para lidar com as diferenças.

Realmente, não devemos achar o machismo normal, nem incutir isso nos nossos meninos... temos de trabalhar em conjunto para  mudar a situação. Temos de ensinar nossas filhas a lutarem pelo seu espaço, assim como nossos meninos a aceitar o poder feminino, mas para isso temos de matar a doutrina patriarcal a qual fomos criadas e deixarmos de aceitar que lugar de mulher é na cozinha e começarmos a entender e a mudar a nós mesmas, sem seguir demagogias insanas ou a loucura alheia de mentes deturpadas. Nosso lugar é onde bem entendermos.

Esse e outros pontos são abordados no livro e quando enfim cheguei a ultima parte da palestra, pela primeira vez me senti orgulhosa sem ser "feminista", não por me enquadrar em um estereotipo distorcido, mas por ser tão forte e saber me impor em qualquer lugar sem nunca deixar de ser feminina.

Sou mulher, sou feminista, também. Cheia de vaidade e feminilidade, por que eu conheço meu lugar, sei me impor, sem ter de gritar ou afrontar, não sou melhor que os homens, nem eles são superiores a mim.. somos iguais e me faço igual. Sem vitimismo e discurso de ódio, não sou vítima de nada, sou a única dona de mim e do meu destino.

Eu recebi o livro em parceria com a editora em um promocional para o mês da mulher, mas vocês podem ver a palestra - legendada, cujas palavras estão impressas no livro, no Youtube. O vídeo tem apenas 30 min e vale muito a pena ser assistido por todos.

QUEM NÃO QUISER LER O LIVRO, SEGUE O VÍDEO COMPLETO DA PALESTRA

15 Comentários

  1. Eu quero muito ler esse livro, principalmente devido sua importância. Com certeza espero que seja uma das minhas próximas leituras. Nao sabia sobre a palestra, por isso vou assistir agora mesmo. Muito obrigada pelas informações.
    beijos, Fer

    ResponderExcluir
  2. Nossa que legal esse livro, realmente a palavra feminista tem um significado mas as pessoas tendem a ser radical e isso e errado, eu adorei a resenha, não conhecia o livro mas ele parece ser bem interessante. Parabéns pelo trabalho.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. O feminismo tem tomado um grande espaço nos dias de hoje. É imlortsnyr, de fato, se informar melhor antes de sair por aí falando o que não sabe. Esse livro, apesar de ainda não ter lido, é uma boa maneira de se informar. Dessa escritora já li Meio sol amarelo, que tem como foco a guerra na Biafra, mas também tem grandes aspectos feministas. E um livro emocionante. Fom certeza lerei esse de sua rsenha.

    www.dialetica-literaria.blogspot. com.br.

    Super beijo.

    ResponderExcluir
  4. Quero ler esse livro. Mesmo não me achando feminista. Assim como você abomino o feminismo, porém esse livro tem certa importância que não devemos ignorar.
    Ela é um tipo de feminista que as mulheres deveriam seguir. Não abre mão das suas coisas e sim machismo NÃO É NORMAL.
    Beijinhos, Helana ♥
    In The Sky, Blog / Facebook In The Sky

    ResponderExcluir
  5. Nossa,até que enfim conheço alguém que pensa igual a mim sobre esse tema. Concordo com você suas palavras.

    Na minha opinião,querendo ou nÃo,aconteça o que acontecer, é um FATO que homens e mulheres SÃO DIFERENTES. E consequentemente,vários aspectos da vida,do cotidiano,seram diferentes para cada gênero... Isso não significa que nÃo possamos lutar para melhorar salários,e alguns preconceitos machistas,pois devemos sim,mas têm uma coisa,querer rebaixar os homens para enaltecer as mulheres creio que nÃo seja o melhor caminho.. Nenhum gênero é superior ao outro,mas sim diferentes,o que precisamos é saber conciliar as diferenças... Enfim,É um assunto polêmico mesmo,mais fico triste com os extremos que vejo dos dois lados,machistas e feministas...na vida tudo é questão de equilíbrio!!


    Então pensando nisso,fiquei super curiosa sobre esse livro,sobre a visão da palestrante do assunto...pelo que você falou ela foi bem equilibrada quanto á isso!

    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Oi, eu estou louca para ler esse livro porque vejo todo mundo falando bem e eu concordo com você, acho que ser feminista não é deixar de ser feminina, de se depilar, de ser vaidosa, acho que podemos ser tudo isso e ser feministas, porque o principal objetivo é ter direitos iguais e não ficarmos masculinizadas. Podemos ser femininas, mas ao mesmo tempo feministas, uma coisa não anula a outra.
    bjus
    http://recantoliterarioeversos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Concordo plenamente com você e com a Chimamanda!! Ser feminista não significa excluir a feminilidade e ser totalmente contra os homens. Fiquei chocada ao ver o post de uma moça que dizia não aceitar homens no feminismo, ora, se queremos direitos iguais e mais respeito, como conseguiremos isso sem ter o maior número de homens possível lutando ao nosso lado? Obrigada por fazer esta postagem e compartilhar seus pensamentos com a gente! Bjss

    Leitora Compulsiva
    http://olhoscastanhostambemtemoseufascinio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Menina, me apaixonei perdidamente por você (que meu namorado me ouça, me leia e dê risadas comigo!).

    Já fui acusada de feminista tantas vezes que não me irrita mais. Porém a grande verdade é que não sou feminista. Sou mulher, bem resolvida, que gosta de homem educado e cavalheiro. Que se sente feliz quando um homem abre a porta ou puxa uma cadeira. Não faço nada para o outro: se me depilo é porque gosto. Se uso salto é porque minhas pernas ficam fantásticas. Uso decotão e não me importo quando me chamam de gostosa no meio da rua.

    Sou do movimento feminino, um movimento que sabe que a luta pelos direitos das mulheres ainda não chegou nem no meio do caminho, mas que o atalho que está tomando pode estragar tudo. Quando uma feminista diz que mulher é melhor que homem tenho vontade de socar a pessoa.

    Enfim, para minhas amigas feministas eu sou machista e preconceituosa. Para meus amigos que entendem que cidadão não tem sexo e que os direitos são os mesmos para todos eu sou uma boa fonte de discussão.

    Bem-vinda ao grupo.

    Bel Góes
    - Conchego das Letras -

    ResponderExcluir
  9. O machismo está impregnado na sociedade deste os primórdios da civilização. A mulher sempre foi vista como objeto, como propriedade do homem.
    Nem toda feminista prega o extermínio da feminilidade, muito menos sovaco cabeludo. Na verdade o que se discute é que não devemos nos impor a padrões de beleza "para agradar a ala masculina" mas sim se isso fizer você se sentir bem, se for para você.
    Acho que toda mulher deve ler/entender sobre o que é o movimento, pois se hoje podemos votar, nos vertir como quisermos e falar como quisermos é graças ao feminismo, a luta daquelas que vieram antes de nós.
    Eu não defendo todos as vertentes do feminismo, acho que muita coisa acaba se tornando exagero e não sou a favor de "extremos" e sim de discussões com argumentos sólidos.
    parabéns pelo post.

    www.detudopouco.com.br

    ResponderExcluir
  10. Oi, essa não é a primeira resenha que leio do livro e já estava curiosa pra lê-lo depois da sua resenha só fiquei mais curiosa ainda.

    http://mysecretworldbells.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Olá,

    estou muito curiosa para ler esse livro.
    Muito bem elaborada sua resenha e a temática me atrai bastante já que sou feminista.

    Beijos,
    poesiaqueencantavida.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. Gostei bastante de conhecer o livro, já que é um tema que me interessa bastante, vou ler e espero entender um pouco mais do assunto.

    ResponderExcluir
  13. Hello!
    Adorei conhecer mais do livro Sejamos todos Feministas!
    O assunto está em alta, finalmente, acho que devemos nos unir e ser feministas sim.
    Não é ser contra os homens, mas ter os nossos direitos respeitados.
    Vou ver a palestra e o ler o livro, sempre é bom se informar mais.
    Beijos!

    Livros e Sushi • Facebook InstagramTwitter

    ResponderExcluir
  14. Também não concordo com alguns meios que as ativistas tem usado para alcançar o bem maior, e acho que essas atitudes negativas não ajuda de nenhuma forma suas causas. Devemos lutar pelos nossos direitos sim mas sem seguir demagogias insanas...
    Amei sua resenha. Não poderei assistir ao vídeo agora pois a net tá horrível nesses últimos dias aqui em casa, mas vou assistir depois com certeza.
    Bjos!

    ResponderExcluir
  15. Oi Raíssa, não é o tipo de livro que eu ando lendo, mas gostei dele. Este seu penúltimo parágrafo simplesmente arrasou! Todos somos donos de nós mesmos.
    Bjs!

    ResponderExcluir