Fala, Galera!

To sumida, eu sei! E podem puxar minha orelha... rsrs

A novidade hoje vem direto do Pará e envolve um casamento encantado, mas não um casamento encantado daqueles que estamos acostumados não. Estou falando de um casamento real, que aconteceu em 1967 na cidade de Cametá, também no Pará e que inspirou o autor Salomão Larêdo a romancear esse fato em uma fantástica história Amazônica, com direito a boto, casamento gay e moral da história.

Este é o 40º livro lançado pelo autor e ele vem sob o selo da nossa editora parceira, Empíreo, que abraçou a causa que vem atada a trama criada por Larêdo. O texto procura mostrar o direito à liberdade que todo ser humano deve ter, para decidir sobre sua própria vida e trilhar suas escolhas, incitando o amor, a compreensão e o respeito que é direito de todo ser, independente de seu credo, raça ou opção sexual.  #chupaglobo.

A história acontece no povoado de Inacha no inicio da Ditadura Militar e retratará de forma romanceado, um acontecimento verídico: o casamento entre dois homens na floresta amazônica, quebrando tabus muito antes das relações homoafetivas serem discutidas.

Olho de Boto, chega às livrarias a partir do dia 06/05 e promete vir com tudo!

Para quem ainda está duvidando dos fatos, segue imagem dos jornais que saíram na época do ocorrido. Clique nas imagens para ampliá-las.


 

Saiba mais:
Site do livro: AQUI
Depoimento do autor AQUI.
• Site da Editora Empíreo  AQUI.

 E então? O que acharam das novidades?

 

6 Comentários

  1. Oi Raíssa,
    Não conhecia esse livro. Não li nada desse autor, até anotei o nome dele para pesquisar mais a respeito dele.

    Bjos

    ResponderExcluir
  2. Raíssa, não conhecia esse livro, mas gostei do modo que chamou a atenção essas manchetes e fiquei curiosa pela leitura.
    Empíreo arrasou em apostar na obra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mandaram muito bem apostando nela, isso eu tenho de concordar :)

      Excluir
  3. Não conhecia o autor nem tinha lido nada sobre o livro, mas curti. Acho um absurdo as pessoas acharem que têm o direito de meter o bedelho na vida dos outros, julgar orientação sexual ou qlqr outra coisa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, achei a premissa interessante e fiquei ainda mais curiosa com o desfecho já que a obra é baseada em fatos verídicos... fui realmente instigada a conhecer esse trabalho.

      Excluir
  4. Não conhecia o livro e nem a história, mas gosto de livros que contam histórias verídicas. Gostei da premissa desse livro. Vou esperar resenha para conhecer mais sobre ele.

    ResponderExcluir