♥ Um Lugar Chamado Liberdade ♥ Ed: 02 - Editora Arqueiro
Escócia, 1766. Condenado à miséria e à escravidão nas brutais minas de carvão, Mack McAsh inveja os homens livres, mas nunca teve esperança de ser como eles. Até que um dia ele recebe a carta de um advogado londrino que lhe revela a ilegalidade da escravidão dos mineiros e um novo horizonte se abre aos seus olhos. Porém, para realizar seu sonho, Mack precisará enfrentar todo tipo de opressão das autoridades que não estão acostumadas a serem questionadas. Já na idealizada Londres, ele reencontra uma amiga de infância, Lizzie Hallim, agora casada com Jay Jamisson, membro da família que tanto o atormentara na Escócia. Lizzie não se conforma em viver submetida aos caprichos dos homens e constantemente escandaliza a sociedade com seu comportamento e suas ideias não convencionais. Quando Mack é acusado injustamente de um crime, ela quebra protocolos e sai em sua defesa, mas o amigo é deportado para a América. Mack logo descobre que se trata de uma mera mudança de continente, não de ares sociais, pois a colônia também vive momentos de tensão: se na Inglaterra os trabalhadores não desejam mais ser explorados pela elite, ali os colonos preparam o caminho que os levará à independência do jugo inglês. Nesta saga repleta de suspense e paixão, Ken Follett delineia uma época de revoltas contra a injustiça com uma escrita enérgica e sedutora.
Um Lugar Chamado Liberdade

Mack sonhou que estava atravessando o vau de um rio
em direção a um lugar chamado Liberdade. A água era fria, o leito irregular,
e havia uma correnteza forte. Ele continuava seguindo em frente, porém
a margem nunca ficava mais perto e o rio parecia mais fundo a cada passo.
Ainda assim, ele sabia que se insistisse chegaria lá.
No entanto acabou engolido pelas águas.”
Pág. 388

Eu comentei no final de semana que esse com toda certeza era um dos melhores livros que eu havia lido em 2014 e não estava errada, as paginas restantes desde a publicação de meu comentário na fan page no Facebook só me fizeram confirmar isso.

Nunca havia lido nada de Ken Follett e tinha muita curiosidade para ler a seu trabalho, mas temia pegar algo muito grosso e me decepcionar. Conheci Os Pilares da Terra pela série que, na verdade é um filme muuuuuito grande e estava esperando que o volume único da obra baixasse de preço, mas não tive como comprá-lo ainda. Então surgiu a chance de ler Um Lugar Chamado Liberdade em parceria com a Editora Arqueiro e eu a agarrei.

Ken Follett tem o dom de te fazer embarcar em sua história facilmente e seja lá quantas páginas tenha seu livro, ele simplesmente irá acabar te deixando órfã de uma obra tão inebriante. Em Um Lugar Chamado Liberdade conheceremos dois personagens de personagens fortes que irão nos fazer suspirar e entrar em desespero. Eu fui tocada pelo livro diversas vezes, as descrições de como os escravos eram tratados me fazia sentir os cheiros, a agonia, o desespero e a situação em um todo. A trama é cheia de reviravoltas envolventes, angustiantes, apaixonantes e simplesmente não sei como expressar tudo isso de uma forma que os faça querer ler esse livro.

Logo no inicio, antes que você embarque nessa aventura, Follett relata o fato de ter encontrado na velha propriedade que havia comprado, um baú que continha um livro e um aparato de metal, que mais tarde descobriu ser uma coleira de escravo. Observando esse objeto que ele mantém sobre a mesa de seu escritório, um dia se perguntou qual seria a história que envolvia aquele homem que um dia foi propriedade de George Jamisson... e assim nasceu Um Lugar Chamado Liberdade.

Mack e Lizzie são amigos de infância. Antes da morte do pai Lizzie, a mãe de Mack fora criada pessoal de lady Hallim, mas deixou o trabalho para ir trabalhar nas minas quando a mãe de Lizzie descobriu que estavam falidas. Mesmo não trabalhando mais na propriedade das Hallim, a mãe de Mack o levava, junto com a irmão até lá e nessas idas, Lizzie, Mack e Esther brincavam escondidos da nobre dama.

Porém, quando Mack e Esther, sua irmã gêmea, completaram sete anos foram obrigados a trabalhar ao lado dos pais nas minas de carvão da família Jamisson e o contato entre eles foi rompido. Lizzie foi criada para ser uma dama da alta sociedade e Mack apenas um mineiro que provavelmente morreria como os pais, de tanto trabalhar.

Quando pequeno, Mack e Esther aprenderam a ler e a escrever. Quando todos achavam que era bobagem ele e a irmã se dedicaram e cresceram sabendo que poderia fazer qualquer coisa, desde que estivessem dispostos a lutar pelo que desejavam.

Como sempre lia as noticias após os cultos de domingo, Mack descobriu a identidade de um advogado reformista que era a favor do proletariado e decide escrever a ele perguntando sobre sua situação. E a resposta será lida diante de todos, após o culto daquele fatídico dia.

Só não esperava que o próprio dono na mina estivesse lá naquele dia. Ou melhor, ele a família e alguns vizinhos se encontravam ali. Para Mack era melhor que ele estivesse pronto, pois assim não teria de agir pelas costas dele.

Segundo a carta uma criança dada pelos pais no dia do batizado ao dono da mina, só seria seu escravo até os vinte e um anos, tornando-se escravo permanente se permanecesse no serviço por um ano e um dia. Seus vinte e dois anos eram em poucos dias e ele estava disposto a partir daquele lugar, custasse o que custasse, antes que seu prazo de liberdade vencesse.

Lizzie crescera sendo criada para ser uma lady, mas todo o dinheiro investido por sua mãe para que isso acontecesse foi jogado fora. Lizzie queria ser livre das convenções sociais, queria ser livre para usar calças e dar opiniões. Queria falar de política e economia, e o mais importante queria escolher o homem com quem gostaria de se casar, porém sabe que a mãe está enfiada em dividas e um casamento com o primogênito de George Jamisson é a única forma de tirá-las da falência.

Ao menos era o que ela esperava até reencontrar Jay Jamisson, o irmão caçula de Robert e belo capitão da infantaria inglesa. Encantada com o rapaz ela se encontra certa de que ele era o homem certo para ela, porém um bate boca com o prepotente Mack McAsh faz com que seu coração fique balançado. Jay é a melhor opção para ela, mas Mack o homem cuja alma se igualada a dela na busca pela liberdade.

Após presenciar ops maus tratos dispensados aos mineiros dos Jamisson, Lizzie promete a si mesma que enquanto ela respirar... ninguém será tratado daquela forma em suas terras. Só que ela não podia prever a ardilosa trama criada por seus sogros e seu marido.

Ludibriada ela se casa com Jay Jamisson, sendo apaixonada por McAsh o mineiro que ela havia salvado a vida algumas vezes. Agora ela está casada com Jay e descobrir a traição dele será desastrosa. Grávida e a caminho da Virgínia ela sabe que nada poderá ser como antes... seu único consolo é saber que Mack estará ao seu lado.

Divididos entre seus deveres e desejos de liberdade. Mack e Lizzie entraram numa vertiginosa e apaixonante aventura pelas inóspitas terras do Novo Mundo. Um amor de muitos anos, sendo aflorado pelo sonho de liberdade.

Acho que nem preciso dizer que indico o livro de olhos fechados. Este é mais um daqueles livros completos que nos brindam com romance, drama, aventura e claro... um delicioso suspense.

Não deixem essa leitura pra depois, devore-a assim que puder... porque o desenrolar dessa intricada história de amor impossível será... Emocionante e SURPREENDENTE!!! Eu estou simplesmente... apaixonada por essa história de fé (nos sonhos) e superação.

book cover of 

A Place Called Freedom

11 Comentários

  1. Quando vi a sinopse ja me apaixonei,terei que tomar um folego porque me parece ser um livro para se ler sem interrupções o que não acontece.O que dizer dessa resenha?Perfeita. Agora tem traição?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só a do marido da protagonista Eudilaine... a Lizzie se mantém fiel a ele até descobrir que ele não vale nada... ela e o Mack já estão apaixonados e ela o evita, só vai baixar a guarda mesmo quando descobrir o caso do marido, mas até lá ela vai suportar mta coisa em silêncio

      Excluir
  2. Ganhei esse livro e não vejo a hora dele chegar. Adoro romances que retratam uma época história e a recriam fielmente. E essa Lizzie, hein? A minha cara, personagem forte, lutadora e contestadora me conquista logo. Sem contar q o tema é atualíssimo!

    ResponderExcluir
  3. Oiee Raíssa!
    Eu não daria um real por esse livro se dependesse da capa, mas veja só a surpresa.
    Gostei muito da premissa e já me vejo devorando o mesmo do início ao fim. Pra quem gosta de livros com épocas históricas esse me parece ser perfeito, quero muito conferir.
    Bjokas!

    ResponderExcluir
  4. O que eu posso dizer eu COM CERTEZA lerei esse livro. Nossa só pela resenha fiquei encantada e vou pular ele na minha listagem para ler logo.

    ResponderExcluir
  5. Gente, não acredito que não conhecia esse livro... A resenha me deixou encantada!! Parece ser uma história linda, cheia de romance e dramas!! Estou torcendo pelo Mack e pela Lizzie desde já!!

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  6. Gente, não acredito que não conhecia esse livro... A resenha me deixou encantada!! Parece ser uma história linda, cheia de romance e dramas!! Estou torcendo pelo Mack e pela Lizzie desde já!!

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  7. Nunca li Ken Follet e tenho MUITA vontade de conhecer o trabalho dele e tenho a impressão que será por este livro e a culpa é sua. Adorei a resenha, muitas informações e todas despertaram em mim a vontade de me jogar neste livro. Adorei!!!!

    ResponderExcluir
  8. Nunca li nada do Ken Follett, mas não posso negar que me sinto curiosa quando leio resenhas que ressaltam sua ótima escrita. Adorei a resenha, as informações... enfim, tudo!

    ResponderExcluir
  9. Li essa resenha e fiquei encantada, o livro deve ser otimo, mais uma anotação pra minha ida ao sebo...

    ResponderExcluir
  10. Não gostei da história do casal protagonista...
    Como sou uma manteiga derretida, costumo evitar livros com temas tão sérios...

    Bjos !

    ResponderExcluir