♥ O Túnel do Tempo ♥ Ed: 02 - Modo Editora Tradicional
Para reencontrar seu grande amor, Klaus, Clarice deveria antes, apaixonar-se por Enzo, um francês incomum que lia pensamentos e conversava com seres invisíveis. Tudo acontece entre a paixão sórdida por Enzo em 2012, e o amor torrencial por Klaus, nos anos loucos glamourosos de 1920. Um romance sedutor com foco no sobrenatural, que viaja pelo tempo, deixando marcas profundas em quem se permitir ser conduzido para dentro da trama.

"Eu sou o nada e ninguém. Sou a única pessoa do mundo que vive do que se passou em um coma,
sem identidade, sem família, sem planos. Tudo que senti foi em vão.
Eu não sei no que acreditar e para onde ir."
pág. 97


Quem me acompanhou na resenha anterior (aqui) sabe que eu tenho muitos problemas com a personagem principal desta série, a Clarice. E confesso que tem de ser muito amor mesmo, por parte do Klaus, pra fazer essa porta que é a Clarice parar de olhar no próprio umbigo, mas enfim.... até que ela não foi tão insuportável nesse último volume da série.

Falei algo no meu perfil pessoal no Facebook que gerou certo mimimi desnecessário quanto a um suposto spoiler sobre a trama, mas vai me desculpar... se você leu O Voo da Estirpe e tem um cérebro, vai ter a mesma certeza que eu tive quanto a identidade do Klaus e do Enzo. Vai me desculpar, mais uma vez, mas em um livro que o tema central é lidar com vidas passadas... é claro, e óbvio... que um mais um, nessa trama é um (eu sei que é dois, raciocine com o tema de reencarnação). Desde o livro anterior eu soube, no momento em que o Klaus falou para a Clarice procurar o Enzo, que ambos eram a mesma pessoa. Então, polpem-me dos mimimi's, são desnecessários, pois a obviedade do fato está na cara, se você não viu... só lamento! **beijinho no ombro, pro seu recalque passar longe**

Eu ganhei o livro da autora quando tive o prazer de conhecê-la na Bienal em São Paulo e fiquei bem animada em saber o que ia acontecer, mesmo eu tendo odiado a Clarice, ela quis saber meu ponto de vista sobre a continuação e cá estou eu... rsrs... O livro é incrível e digo isso, não pelos personagens, nem pela trama (que nem faz meu estilo, não gosto muito dessa vertente espiritualista), mas pela forma como a Adriana  te prende a trama. Fico tão triste quando vejo erros de revisão nos livros dela, pois ela consegue me envolver na trama e alguns errinhos sempre acabam acabando com a magia e tal, mas ela está revisando novamente e espero que esses furos sejam resolvidos pelo revisor de agora.

O livro trata de vidas passadas, mas pode ser lido por quem não gosta de livros com temática espírita. O livro é voltado para a fantasia e viagem no tempo. No anterior tivemos uma experiência de quase morte e nesse encontraremos os mistérios de vidas passadas relacionadas ao coma de Clarie, que é onde tudo realmente começa a tomar um rumo diferente, para entender o que eu irei dizer leia a resenha anterior aqui.

Após lidar com sua conflituosa e perturbada cabeça, Clarice desperta do coma um ano após seu atropelamento. Sem entender ao certo o que foi real ou a sua imaginação durante o coma, ela descobre que Enzo, seu aluno, era a pessoa que havia cuidado de tudo enquanto ela estava perdida em sua mente ansiando a morte.

A única certeza que ela tem é o amor que sente por Klaus... decidida a buscar por seu amor em 2012, ela decide procurar por endereços que ela consegue se lembrar. Enquanto tenta desvendar o que ocorreu em sua mente, ela tem de lidar com Enzo, que ela acredita ser esquizofrênico e aos poucos começa a conquistar seu coração.

Clarice ainda tem seus problemas internos e continua não olhando ao redor do mundo, fazendo de seus problemas e sua existência uma redoma de problemas que ela acha imbatível, jogando sempre suas agruras nas costas de Enzo e a solução de seus problemas em Klaus.

Enzo insiste para que ela vá a um local sagrado, onde ela pode encontrar as respostas que quer, porém ela não acredita que seu problema possa ser espiritual ou de uma vida passada e o coitado vai penar até conseguir fazê-la ir ao tal local. Quando enfim, quase louca por conta das lembranças guardadas na casa em que ela e Enzo vivem juntos, ela se deixa conduzir ao local sagrado e aceita cumprir uma determinada missão. De volta aos anos 1920, Clarice tem de salvar a vida de Klaus e decidir se ficará ou se retornará para os braços de Enzo. Tudo está nas mãos dela... a decisão que ela fizer definirá o seu futuro e, claro, definir se seu amor continuará a existir para todo o sempre.

Gostei muito do desenrolar da trama e minha curiosidade fazia com que a leitura fosse rápida. Continuo não caindo de amores pela Clarice, mas o desfecho da trama foi simplesmente delicioso. Gostei mesmo, a Adriana conseguiu me envolver nessa trama mesmo que eu não suporte sua mocinha... e isso... é um espanto... rsrs... sem falar na grande quantidade de quotes interessantes que te fazem refletir sobre muitas coisas, não apenas sobre o amor, mas sobre sua posição diante dele.

Se querem ler algo diferente caiam nessa leitura... é uma viagem certa e literal!

Compre este e outros livros nacionais: aqui

5 Comentários

  1. Oieeee,

    kkkkkkk briguenta como sempre <3
    Pessoas, não adianta brigar com Raíssa, ela é imbatível.
    E ela lê realmente o livro viu.
    Abraços querida! Obrigada por ler a saga, e ter curtido o desenrolar.
    Um grande abraço.
    Adriana Vargas

    ResponderExcluir
  2. Gostei da quote, e achei legal no qual o tema vai se desenvolvendo, com as decisões que a protagonista tem que tomar, eu não gostei muito dela apesar de ter amado o enredo exceto ela, achei legal em que a forma que Enzo parece realmente se preocupar e gostar dela, e agora pelo o que vejo Clarice tem que tomar decisões difíceis.. ou não.
    Beijos Raíssa, até mais.
    ThaynáQ.

    ResponderExcluir
  3. Oiee Raíssa!
    O fato do livro ter essa pegada meio espiritual me afastou dele, não curti pois quase 100% dos livros que li nessa pegada eu acabei abandonando.
    Mas esse me deixou um tanto curiosa, ele tem seus problemas mas você ter falado que é uma leitura diferente de tudo me deixou curiosa.
    Não sei se o lerei, mas ao menos não descartei totalmente a leitura.
    Bjokas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah!! Eu também fujo Iêda... principalmente livros espíritas e tal, mas esse, mesmo tendo o enfoque em vidas passadas, não fica naquela coisa, te catequizando ou doutrinando ou coisas do tipo.. ela só usou a mistica para desenvolver a história e foi bem legal.

      Excluir