Falar de poesia é um tanto quanto complicado aqui no Brasil. Quem dirá tentar explicar como é a poesia em toda a sua essência.

Não sei se é pela falta de alma, ou se perdemos a essência lirica de todos aqueles que nos brindaram com suas rimas e versos, mas a decadência poética nacional é assustadora.

Poucos são os que se deleitam na sensibilidade poética do que temos, e os que se dedicam a ela, são relegados a sarjeta pela falta de interesse de compreensão por parte de leitores insensíveis. Se existe uma periferia literária, o que foi elite poética hoje mendiga por atenção nesse país. E isso é degradante.

O que só afirma ainda mais a falta de empatia e amor que a cada dia morre, deixando seu esplendor a favor da ignorância. 

O que quero dizer com isso?

O leitor deixou de ler com a alma... E o que é escrito com a alma, tem de ser lido pelos olhos dela. E sinto dizer que aqui jaz a poesia e ao seu lado o bom e velho português que também definha lentamente na sarjeta sob a ferida aberta pela espada da ignorância.

Irônico me referir isso, provavelmente poucos entenderão onde quero chegar, mas eis que devo voltar meu foco ao que realmente interessa. Vocês já conhecem Delmira Agustini, já falei dela outras vezes aqui e fiz boas referências a poesia aqui nessa mesma página, portanto não tornarei a me repetir quanto a esse assunto.

O Lucas Zaparolli de Agustini, poeta, tradutor e leitor ávido das obras da poetiza uruguaia me encaminhou dois exemplares, de uma publicação única e especial da obra O Rosário de Eros e confesso ter demorado um pouco para ler.

Você deve estar se perguntando o porque de tanta demora, depois de chamar meio mundo de ignorante eu devia ser a primeira a não agir como todos os outros, não é? Mas eis uma resposta as suas perguntas... Inspiração, essência... alma... Poesia não se lê a torto e a direito, da mesma forma que não se escreve apenas por escrever. Poesia te dá sede, sofreguidão, algumas não lhe tocarão, mas aquela essência que sua alma busca nela será preenchida com uma e outra. Lê-se um mesmo livro de poesia várias vezes e nessas várias vezes entende-se e sente-se coisas diferentes. Na verdade é assim com qualquer livro, porém a poesia é a que toca mais.

Quando enfim peguei O Rosário de Eros para ler, preparei-me para uma enxurrada de sedução. Uma obscuridade erótica que me arrebatou. Se Delmira teve amores, muitos foram... se de todos eles provou, seus amores estão eternizadas nas páginas de seus livros, impressos em papel e sentimento em cada uma de suas frases.

Espantei-me com a quantidade de versos que selecionei e redijo um deles a vocês mais abaixo. Provavelmente não precise dizer o quanto gostei poder ter as brechas de minha alma preenchidas pelos versos de Delmira e agradeço ao Lucas a oportunidade te ter lido algo tão visceral e arrebatador. 

- O Encontro -

Em teu quarto coberto de sonhos, feixes cheios de
Flores e luzes de espíritos, minha alma
Calçada de silencio e vestida de calma
Pela senda mais negra dessa noite irá a ti

Apaga os castiçais para ver coisas belas;
Fecha todas as portas para entrar a ilusão;
Arranca do mistério um punhado de estrelas
E enflora como como um vaso triunfal seu coração


Aos sensíveis, brevemente sortearei o exemplar extra a vocês.

6 Comentários

  1. Não conhecia o livro, mas este no momento eu passo.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  2. O Rosário de Eros parenta ser um livro realmente bem erotico
    ao olhar. Mas souberam coloca uma sensibilidade
    muuuito incrivel e isso que achei bastante marcante nele.
    Espero que seja bem breve o sorteio de exemplar deste livro <3

    ResponderExcluir
  3. O ROSÁRIO DE EROS , POESIA,"O ENCONTRO" APAGA OS CASTIÇAIS P/ VER COISAS BELAS, FECHA TODAS AS PORTAS P/ ENTRAR A ILUSÃO, GOSTO MUITO,

    ResponderExcluir
  4. Não conhecia este livro, porém o nome me chamou atenção. Acredito que seja bom, por ter vários versos, como o que você mostrou. Com certeza a poesia é a que toca mais, e em cada leitura há uma interpretação diferente. Adorei ler o verso transcrito, me deu ainda mais vontade de ler.

    ResponderExcluir
  5. Não sou muito fã de poesia, mas sua resenha me deixou curiosa.
    Não conhecia esse livro, quem sabe ele me faça gostar desse gênero.

    ResponderExcluir
  6. Eu gosto de poesias, mas ainda não conhecia esse livro, e vc vai sortear um exemplar extra, que maravilha. Poesia é para os que sentem... ^^

    Abçs :)

    ResponderExcluir