♥ Renascença ♥ Ed. 1 - Galera Record
Traído pelas famílias que governam as cidades-estado italianas, um jovem embarca em uma jornada épica em busca de vingança. Para erradicar a corrupção e restaurar a honra de sua família, ele irá aprender a Arte dos Assassinos. Ao longo do caminho, Ezio terá de contar com a sabedoria de grandes mentores, como Leonardo da Vinci e Nicolau Maquiavel, sabendo que sua sobrevivência depende inteiramente de sua perícia e habilidade. Para os seus aliados, ele será uma força para trazer a mudança lutando pela liberdade e pela justiça. Para os seus inimigos, ele será uma ameaça que procura destruir os tiranos que oprimem o povo da Itália. Assim começa uma épica história de poder, vingança e conspiração.
Renascença

Bem, infelizmente acho que não vou conseguir falar deste livro sem fazer comparações com o 'game', mas tentarei não comparar. Para quem é super desligado e não sabe, esta série literária é baseada nos jogos de mesmo nome, sim os livros são baseados nos jogos da franquia Assassins Creed, da Ubisoft, não o contrário, e conta exatamente as mesmas aventuras do jogo.

O game e o livros se encontram na sexta edição, conheça a ordem abaixo:
  1. Renascença;
  2. Irmandade;
  3. A Cruzada Secreta;
  4. Revelações;
  5. Renegado;
  6. Bandeira Negra (acabou de ser lançando no Brasil, tanto o livro quanto o game);
Eu particularmente gosto muito dos jogos e estou fascinada pelo Bandeira Negra, pois já vídeos de quem já jogou e os gráficos estão incríveis, porém não vou falar dele né? Mas foi justamente pelo lançamento deste sexto 'game' que decidi por a leitura dos livros que tenho em dia. Confesso que a leitura foi uma tortura, não pelo livro ser ruim, muito menos por eu já ter noção do que ai acontecer, pois mesmo sabendo como é eu tinha a curiosidade de ler o livro, não ligo para essa coisa de 'é a mesma história'. O que tornou a livro uma tortura foi o fato de autor não escrever bem.

Achei que Oliver Bowden, que é pseudônimo de Anton Gill, foi muito Ctrl+C/Ctrl+V e isso tornou a leitura cansativa e enfadonha. Ele não conseguiu dar vida para a história, apesar da riqueza de detalhes históricos que entram na trama e que nada tem a ver com ele e, sim, aos criadores do jogo. As lutas descritas ficam vagas e sem emoção, sem vida. Ezio é um rapaz que procura vingança, mas você não consegue sentir o ódio queimando dentro dele. Não há sentimento algum nas palavras escritas por Anton. Ele apenas alterou uma coisa aqui e ali e só.

A trama sem sombra de dúvidas é soberba, a história em si é magnífica, cheia de mistérios e ação, mas que infelizmente foi dada nas mãos do autor errado. Ele não conseguiu dar vida aos personagens, o que acabou tornando o livro uma narrativa enfadonha do jogo. Na minha modesta opinião acho que ele poderia ter pintado melhor a trama, sem mudar nada do original, de forma incrível, e perdeu a oportunidade, sem falar na grande decepção para os fãs de Assassins Creed que aguardavam por algo realmente a altura do jogo.

Enfim, vou parar de falar do autor, por mais decepcionada que eu esteja com a escrita dele, estou totalmente entregue a trama e super curiosa para saber como serão os demais livros (que eu ainda não joguei diga-se de passagem). Sei que já elogiei a trama, mas não posso deixar de afirmar que tudo se encaixou perfeitamente bem no rico teor histórico e verídico. Toda a história de Ezio, os Templários e a Ordem dos Assassinos é fictício, mas essa ficção foi encaixada maestralmente na história que já conhecemos sobre as intrigas de poder italiano que estava em voga na renascença.

Ezio é um rapaz de dezessete anos, que gosta de levar uma vida aventureira. Ele e o irmão mais velho vivem de bebedeiras, mulheres e apostas perigosas sobre os telhados de Florença. Ezio não quer ser um financista, como o pai, mas por ser bom em números toma para si a função que deveria ser do irmão mais velho, mesmo que a ache enfadonha.

Seus dias são recheados de números e suas noites de aventuras perigosas. Ezio tem seu próprio grupo de amigos e vive de rixa com o grupo de Vieri Pazzi um jovem que vive difamando o nome da família Auditore. Sem saber que por trás desta implicância existem segredos muito mais mortais que uma simples briga de garotos.

O príncipe de Florença parte em viagem e da noite para o dia a maré se volta contra os Auditore que a todo custo tentam barrar as ações dos Pazzi. Agora com pai e os irmãos presos pelo representante da cidade só resta a Ezio descobrir o que os levou aquela situação. Um passado sombrio, documentos codificados e um bando de traidores entraram na vida de Ezio para virá-la de cabeça para baixo.

Seguindo instruções do pai ele leva documentos importantes para as mãos do único homem que poderia ajudá-los, sem saber que nas mãos deste homem encontrava-se a vida de seu pai e irmãos que diante de uma imensa multidão e do próprio Ezio são executados a sangue frio e injustamente.

Tudo o que Ezio quer é vingança e para isso será necessário aprender muitas coisas. Enquanto busca sua vingança ele conhece Paola, uma cafetina de Florença, que poderá ensinar a ele truques indispensáveis para o primeiro homem que ele pretende eliminar. Quando enfim ele consegue matar o homem que entregou seu pai tão covardemente é obrigado a tirar a mãe e a irmã de Florença e levá-las para os cuidados de seu tio Mario, que lhe contará segredos de família desconhecido por todos.

Ezio vem de uma tradicional linhagem de Assassinos que tem como objetivo disseminar ou coibir os avanços dos Templários sobre a humanidade. Os documentos misteriosos e a estranha lista de nomes que encontrou na biblioteca do pai estão relacionados a este segredo. Como único descendente dos Auditore de Florença cabe a ele terminar o trabalho do pai silenciando grandes nomes políticos ligados aos Templários, assim como reunir as misteriosas páginas do códex que ajudará a Ordem dos Assassinos na busca implacável pelo bem à humanidade. Sem futuro e sem rumo, só lhe resta esquecer a vida que levou antes e se tornar um mercenário. E como um mercenário ele também abrirá mão de seu amor por Cristina.

Os Pazzi ainda estão a procura de Ezio e ele terá de voltar a Florença para matar alguns dos nomes que estão na lista de seu pai. Com mais alguns meses de treinamento ele se descobre chegando sorrateiramente na cidade que um dia fora seu lar. Os templários querem matar Lorenzo Médici e apenas ele, será capaz de salvar o duque que sempre apoiou sua família.

Após eliminar alguns dos templários e reaver algumas páginas do codéx, Ezio, com a ajuda de Leonardo Da Vinci conseguem aperfeiçoar os mecanismos que escondem suas adagas, tornando Ezio cada vez mais letal e ainda mais lendário.

Muitos querem sua cabeça e muitos morreram por suas mãos. Até que chegará o grande dia em que eles terão todas as páginas codificadas... Ezio então, já será um homem de trinta de sete anos que já não mata por vingança aos seus mortos e sim para o bem da humanidade e a favor da Ordem.

"Um profeta surgirá e ele guiará a todos para um novo mundo... Apenas ele será capaz de abrir a câmara secreta..." é o que promete o codéx e Ezio é este homem, agora o líder da Irmandade. Com todas as peças desse quebra-cabeças em mãos ele enfrentará o último e mais mortal de todos os seus inimigos, Rodrigo Bórgia, agora papa Alexandre VI.

E no final ele descobrirá, que seu legado está apenas começando. Aos quarenta e quatro anos, ele se vê novamente com mais um enigma nas mãos e a partir daquele dia ele tem certeza de que a perseguição templária continuará...

Renascença é um livro cheio de aventuras, mistérios e o final realmente foi incrível... se eu não conhecesse diria que foi surpreendente. O livro nos apresenta todo o amadurecimento de Ezio como homem e como assassino, seus encontros, suas ilustres amizades, assim como suas batalhas. Este é o livro que nos dá a base para conhecer o restante da trama, temos nessa série uma aula de história real e mitológica.

Então, se você não curte games, não jogou Assassins Creed, e quer conhecer essa trama incrível vale a pena ler, mas já vou dizendo que sua leitura poderá ser um pouco cansativa. Se não gosta de história então, piorou, nem perca seu tempo.

Mas se realmente gosta de aventuras, história, mitologia, intrigas políticas e traição esse é o seu livro. Leia com atenção, sem pressa e com muita paciência, pois ele será um banquete ao leitor.

Eu gostei bastante, apesar de ter reclamado do autor, e quero sim ler os demais para ver até onde isso irá e claro, fazer tudo isso antes de voltar a jogar Assassins Creed para pegar alguns macetes para facilitar minha vida no cumprimentos das missões do 'game'... rsrs

book cover of 

Renaissance

9 Comentários

  1. Oi Raíssa, mesmo gostando muito de video game, eu não conheço a estória deste jogo, o que sei são através das resenhas da série. Já li também que ele é bem fiel ao jogo, você sentiu isso? Independente disso tudo que eu escrevi, tenho interesse sim nesta série.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  2. Está tudo na resenha Rose =X
    Várias vezes comentei o fato de ser mais do mesmo... e até citei que o autor não fez questão de alterar nada. Só copiou e colou o roteiro original.
    É uma boa trama, quando puder leia... ;)

    ResponderExcluir
  3. Oi Raíssa, o que eu quis dizer é o seguinte, como não conheço o jogo, não sei de sua extensão, a série tem 6 livros, cada livro é fiel a um jogo específico ou a uma fase do jogo? Desculpe se coloquei errado.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  4. Sim, Rose, cada livro é relativo a um jogo. A trama de um é a do outro no todo.
    Eu que peço desculpas se não entendi a sua colocação...
    Bom final de semana!!

    ResponderExcluir
  5. Imagina Raíssa, a minha ignorância em relação ao jogo é que ajudou na confusão. Tenho interesse nos livros, quem sabe eles me façam ter interesse nos jogos.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  6. rsrs... eu não vejo a hora de poder jogar todos eles, faz mt tempo que joguei o primeiro... rsrs....
    Boa semana!

    ResponderExcluir
  7. Adorei a premissa da série e confesso que não sabia nada até ler sua resenha. É uma série famosa,muito comentada pela blogosfera, mas só aqui entendi a trama que é desenvolvida. Ainda que com um mote interessante, a escrita do autor é chatinha? Realmente nem todas as ideias boas caem na cabeça de bons escritores, mas fiquei bem interessada. A capa é universal? bacana!!!

    ResponderExcluir
  8. Acho que as capas são universais sim Ivi. Realmente o autor é muito chatinho, mas a trama é muito boa sim...
    Bom final de semana!!!

    ResponderExcluir
  9. Nao sou muito fan dos livros quando o assunto é RPG, fica meio artificial. Assasin's nao foi diferente, mal comecei o liro e logo desisti dele.



    xx

    ResponderExcluir