♥ Um Porto Seguro ♥ Ed. 2 - Novo Conceito
Quando uma mulher misteriosa chamada Katie aparece repentinamente na pequena cidade de Southport, na Carolina do Norte, questionamentos são levantados sobre seu passado. Linda, mas discreta, Katie parece evitar laços pessoais formais até uma série de eventos levá-la a duas amizades relutantes: uma com Alex, o viúvo, com um coração maravilhoso e dois filhos pequenos, a outra com sua vizinha muito franca, Jo. Apesar de ser reservada, Katie começa a baixar a guarda lentamente, criando raízes nessa comunidade solícita e tornando-se próxima demais de Alex e de sua família. No entanto, quando Katie começa a se apaixonar, ela se depara com o segredo obscuro que ainda a assombra e a amedronta: o passado que a deixou apavorada e a fez cruzar o país para chegar no paraíso de Southport. Com o apoio simpático e insistente de Jo, Katie percebe que deve escolher entre uma vida de segurança temporária e outra com recompensas mais arriscadas... e que, no momento mais sombrio, o amor é seu único refúgio.
Um Porto Seguro

O bom e velho Nicholas Sparks de sempre, com seu jeito sempre Sparks de ser e escrever. Escrevendo seus melodramas típicos, cheios de dor, sofrimento, câncer, tiros, fantasminhas camaradas, pessoas feridas emocionalmente, maridos ruins e etc. Decididamente Nicholas Sparks é um autor como outro qualquer e eu ainda me pergunto porque de tanto alvoroço.

Um Porto Seguro é o segundo livro que leio dele e decididamente ainda acho ele um escritor muito água com açúcar. Tendo apenas que concordar com fato de que ele consegue te enredar nas tramas clichês e piegas que ele sempre escreve. Quando você pega um livro do Nicholas tem sempre duas certezas... ou vai morrer todo mundo no final ou todos viverão felizes pra sempre.

Um Porto Seguro me envolveu durante todo o enredo, não porque a trama seja lá essas coisas, é um romance típico e previsível, mas acabei gostando das personagens que são sofridas sem serem maçantes ou enjoativas. A forma como ambos, Alex e Katie, vão aprendendo a lidar com a dor e o sofrimento e se aproximam é muito interessante, sem falar que os filhos dele são um encanto. Mas decididamente em O Melhor de Mim me vi mais envolvida ao ponto de derramar lágrimas durante uma hora seguida após o término da leitura, já com esse livro foi bem normal, um romance gostoso, personagens interessantes e só. Nada de choro, angustia no coração, nó na boca do estômago... absolutamente nada, foi apenas uma boa distração.

Resolvi pegá-lo para ler, porque o livro Não Conte a Ninguém estava me dando nos nervos e nada na trama me cativava, nada me segurava a trama. De curiosidade o peguei para folhear e ler por cima e quando vi já tinha lido mais de cinco capítulos em poucas horas. O teria terminado no final de semana, mas me contive para que eu não morresse de ansiedade de resenhá-lo. Até acabei vendo o filme que aliás foi uma pequena decepção.

Erin é uma bela mulher, que se casou por amor acreditando que havia feito a escolha perfeita. Kevin era policial, a havia salvo de estupradores e a amava, só não esperava que o álcool e quatro anos de casamento pudessem destruir seus planos de 'felizes para sempre'. Nunca fuga friamente planejada ela acaba chegando a pequena cidade litorânea de Southport, com uma identidade roubada e um nome falso. 

Vivendo da forma mais discreta possível, Katie evita falar com as pessoas, foge de fofoqueiros e vive reclusa numa afastada cabana de caça enfurnada na orla da floresta. Tudo parecia correr bem, até que uma misteriosa mulher se muda para a cabana ao lado da sua e lhe é impossível não fazer amizade com a simpática psicóloga Jo. Sentindo que poderia baixar um pouco a guarda ela se deixa envolver pelo ar hospitaleiro da cidade.

Alex está viúvo a um bom tempo e prometera a esposa em estado terminal que encontraria alguém para amá-lo e cuidar das crianças tanto quanto ela, mas ninguém chamava tanto a sua atenção quanto a silente moça que vinha alguns dias em sua loja para comprar mantimentos ou seja lá o que ela estivesse precisando. Major aposentado do exército, tem seus instintos aguçadíssimos para os tiques de Katie e se pergunta se ela estaria fugindo de algum agressor. Todas as suas dúvidas são sanadas quando, já com uma amizade mais firmada ele a chama para jantar e ela lhe conta toda a história de sua vida.

Nada daquilo seria capaz de afastar o amor que eles conheceram, nem o nome falso, nem nada. Eles se amavam e tinham certeza de que estariam a salvo ali. E Alex estava disposto a tudo para salvar Katie das mãos de seu marido violento. 

Kevin ainda está a procura de Erin, e por um golpe do destino ele descobre onde ela está após um papo produtivo com a filha mais velha de seus odiados vizinhos, os Feldmans. Agora ele está em Southport, louco por vingança e sedento por sangue dos amantes.

Viu? Não disse que era previsível? Não preciso nem dizer mais nada para vocês já imaginarem o final... Não... ninguém morre no final, só o vilão. (spoiler? Nos livros do Sparks? Vocês já deviam saber que quando os finais dele são felizes o vilão sempre morre... rsrs... isso é clichê de todo romance água com açúcar)

Um Porto Seguro, é um livro gostoso de ler, a leitura é rápida apesar do grande número de páginas. Eu gostei muito da história apesar de achar tudo tãããããooo previsível, foi uma ótima leitura.

Se você quiser ler também, o blog está sorteando um exemplar de cada um dos romances do Nicholas Sparks citados aqui nessa postagem. Para participar é só clicar AQUI.

book cover of 

Safe Haven

7 Comentários

  1. "O jeito Sparks de escrever" é um pouco mais suave neste livro. Previsível sim, mas pelo menos nenhum dos mocinhos morreu. E vou te falar que a capa americana é um milhão de vezes mais legal que a brasileira. O que eu não entendo nas obras do Sparks é esse moralismo disfarçado. Ok que ele não vai descrever cenas tórridas de amor, mas vamos combinar que um viúvo e uma mulher separada ficarem só nos beijinhos foi forçar demais a amizade. Nisso o filme foi mais feliz, ainda q nem se compare com o livro. Adorei a resenha, acho que gostei mais da resenha do que do livro mesmo... kkkkkk
    Dia 28/08 vou conhecer o Sparks aqui em SP, quer que eu de algum recado seu pra ele?
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkk... Diga a ele para parar de ser tão meloso e dramático. Nem sempre as pessoas curtem tragédias.... rsrs....

      Beijos

      Excluir
  2. Eu só li um livro do Nicholas Sparks. Não entrou pros meus favoritos, mas gostei. Mas pensar que todos os livros dele seguem essa mesma linha de doença, sofrimento, morte dá um um pouco de preguiça... Mas se tivesse o livro em mãos leria também.
    Beijos :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu só leio ele quando não tenho nada melhor pra ler ou quando me falta interesse em outra coisa... rsrs... realmente dá preguiça o fato dele ser sempre tão previsivel.

      Beijos

      Excluir
  3. Olha achei muito interessante, por mais que eu nunca tenha lido um livro dele askokopas me intrigou *_* gostei !

    ResponderExcluir
  4. Mais um lindo romance do Nick. O filme eu ainda não vi, mas o livro é uma ótima opção com certeza!
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  5. Eu adoro o tio Nicholas, apesar de sempre saber o final, é exatamente o que você escreveu... Ele te prende!
    Esse eu ainda não tenho, mas meu favorito ainda é O melhor de mim.
    OBS: Odeio essas capas brasileiras... =/

    Beijos
    soueupri.blogspot.com.br

    ResponderExcluir